UM ERRO QUE JAMAIS APAGARIA O OUTRO – UDF

O 1º Semestre de 2012 no Centro Universitário do Distrito Federal foi movimentado para alunos, professores e funcionários. Nova Reitoria foi apresentada, boas avaliações do MEC em alguns cursos, o retorno ao primeiro lugar do nosso Curso de Direito na prova da Ordem, além e claro das eleições do Diretório Central dos Estudantes – DCE/UDF.

Mas queremos falar aqui apenas sobre o DCE/UDF e sua gestão 2012/2013 eleita em fevereiro, logo na segunda semana de aulas. O grupo RENOVADORES participou das eleições com um chapa plural, envolvendo alunos dos mais diversos cursos e propostas que considerávamos necessárias para alunos e Instituição. Durante as eleições nosso grupo trouxe diversas denuncias acerca da forma em que o pleito estava sendo conduzido, sem respeitar o que trazia o Estatuto do DCE. Porém, mesmo com as diversas falhas nas eleições, não deixamos de parabenizar os eleitos, nos colocando a disposição para ajudar em qualquer ato que o Diretório precisasse para benefício da coletividade.

Entretanto, logo nos primeiros dias de gestão da nova (velha) Diretoria Executiva, o DCE deixou de existir como representação estudantil, pois os interesses pessoais se tornaram evidentes e se sobrepuseram às necessidades do alunato. O Diretório foi dividido e ações nada republicanas foram feitas contra alunos e professores dos cursos de Relações Internacionais e Ciências Políticas (famosa invasão da XEROX do DARIPOL). O evento no mínimo imoral foi objeto de registro policial, além da abertura de Processo Disciplinar Interno, pois infringiu normas estabelecidas no Regimento Interno do UDF.

Durante todo o tempo em que o processo tramitava internamente sendo cumpridos todos os procedimentos legais, os autores da invasão desastrada procuravam “culpados” por seu imbróglio. Resolveram, então, descontar a culpa em seu presidente, João Paulo de Oliveira Netto, quem há poucos meses pedia votos aos alunos para que todos os envolvidos fossem reeleitos no Diretório.

Foi criada uma “Comissão” para julgar a postura de João Paulo em relação ao episódio da “XEROX do DARIPOL”, a conclusão dos trabalhos, claro, não poderia ser outra; Culpado. O próximo passo seria levar a decisão para uma Assembleia Geral do DCE para que os alunos julgassem e destituíssem João Paulo do cargo de presidente. Como é estipulado no Código Civil Brasileiro a publicidade é obrigatória para atos como Assembleias em associações. Então qual a solução encontrada pelos dirigentes do DCE? Publicar a Convocação na página do DCE no Facebook? Na página oficial do UDF? No próprio DCE? Claro que não, pois a intenção deles não era ter uma Assembleia ampla, com dezenas ou centenas de alunos informados sobre o procedimento. Queriam votar a queda de seu presidente entre 5 ou 10 pessoas no máximo. Aí alguém teve a excelente ideia de PUBLICAR a CONVOCAÇÃO nas páginas de classificados de um jornal local (Jornal de Brasília), pois assim cumpririam o que manda a legislação e não criariam um alarde sobre o julgamento.

ENTRETANTO, mesmo planejando tudo “certinho”, faltava combinar com a Comissão daquele primeiro processo, o mais importante. E hoje, saiu o resultado oficial do Processo Disciplinar Interno:
– DESLIGAR DOS QUADROS DE DISCENTES DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL, OS ALUNOS ENVOLVIDOS NO EPISÓDIO DA INVASÃO DA LOJA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE FOTOCÓPIO E XEROX DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE RELAÇÕES INTRNACIONAIS E CIÊNCIAS POLÍTICAS!

Ou seja, antes que pudessem tirar o presidente eleito do cargo, os dirigentes do DCE e CADir que geraram toda a confusão foram convidados a se retirar do UDF. Assim, acreditamos que se perde o objeto da Assembleia Convocada por eles, assim como o relatório produzido pela comissão criada para julgar os atos de João Paulo Netto.

Não cabe aos RENOVADORES julgar qualquer aluno. Muito provavelmente as expulsões serão contestadas judicialmente, entretanto, acreditamos que o Diretório Central dos Estudantes hoje não tem legitimidade para representar os alunos UDF em nenhuma questão coletiva. A reorganização do DCE é fundamental neste momento.

Não iremos exigir novas eleições, pois respeitamos os votos das centenas de alunos que compareceram ao Centro Universitário naquele dia 17 de fevereiro (véspera de Carnaval), enfrentaram filas e depositaram seus votos em seus candidatos preferidos. Porém, deixamos aqui um pedido para o presidente do DCE, João Paulo, que reflita se não seria importante, nesse momento, refazer todo o processo e corrigir todos os erros, desde o inicio, quando informamos que as eleições estavam sendo feitas de forma irregular!

Então, João Paulo, você como presidente do DCE-UDF, irá convocar Assembleia Geral para que os alunos decidam por manter o DCE da forma que está, julgando todos os alunos envolvidos em irregularidades ou irá levar para votação a Convocação de Novas Eleições Gerais?

RENOVADORES UDF.

 

 

A HISTÓRIA DE RAÍ QUE NÃO NOS CONTARAM

 Raí com certeza está na galeria dos maiores jogadores da história recente do futebol brasileiro. Não foi um gênio da bola, nem perto do que foi  Pelé, Zico ou mesmo de seu contemporâneo Romário ou seu irmão mais velho, Sócrates — aliás o ex-craque do São Paulo foi salvo pela mãe de se chamar Xenofonte: o pai, Raimundo, fã dos gregos clássicos, já havia batizado outros dois filhos como Sófocles e Sóstenes. 

No futebol e nas relações pessoais, Raí Souza Vieira de Oliveira sempre primou pela elegância. Jogava o fino da bola nos gramados e era um gentleman fora deles. No fim da carreira, Raí resolveu “curtir a vida”: com o amigo e também jogador Leonardo, idealizou e criou em 1998 a Fundação Gol de Letra, que assiste mais de 1,2 mil crianças em suas duas sedes — Vila Albertina, em São Paulo, e no bairro do Caju, no Rio de Janeiro.

A entidade filantrópica foi resultado de sua experiência na França, onde jogou de 1993 a 1998, tornando-se ídolo no Paris Saint-Germain. Lá, percebeu que sua filha estudava na mesma escola que a de sua empregada. Achou aquilo bem justo e bem oposto ao que ocorria e ocorre em sua terra natal. Hoje, a Gol de Letra é considerada uma instituição referência pela Unesco, o braço social da ONU para as crianças em situação de vulnerabilidade.

Em 2006, ele novamente saiu à frente de outros colegas famosos do esporte: nasceu a Atletas Pela Cidadania, uma organização sem fins lucrativos que reúne atletas e ex-atletas de diferentes épocas e várias modalidades para usar seu prestígio na mobilização por causas sociais importantes para o Brasil. A entidade apoiou a Lei do Aprendiz e investe seus esforços principalmente em oportunidades para a juventude. Monitorando a execução de políticas públicas, pressiona o governo para o cumprimento de ações concretas em prol do desenvolvimento do País. Preocupa-se com o apoio a pesquisas e debates de relevância para o futuro nacional.

Raí nunca se envolveu em escândalos e farras. Nem como atleta nem como ex-atleta. Foi pai aos 17 anos e avô aos 34 — sua neta, hoje, tem já 13 anos. Casou-se duas vezes, a última com a chef Daniela Dahoui, de quem se separou há dois anos. Tem, ao que parece, uma ótima relação com as ex-mulheres e a família em geral. 
 
Alguns meses atrás, soube-se de um suposto envolvimento entre o jornalista Zeca Camargo e o ex-jogador Raí. Boatos, nada mais do que boatos, como aquele que espalha que Jô Soares é gay, ou o que coloca a cantora Paula Fernandes em casos amoroso com políticos, ou, ainda, o que conta um pacto com o “coisa ruim” feito por Xuxa para chegar ao sucesso. É a vingança daqueles que não chegaram à fama e se incomodam, de alguma forma, com o fato.

No último fim de semana, os boatos sobre um caso entre Raí e Zeca se agravaram e chegaram ao ápice nas redes (de intrigas) sociais durante o “Fantástico”, programa do qual o jornalista é apresentador.

Dizem que o global é gay. Dizem que ambos têm sido vistos juntos muitas vezes ultimamente. Não sei.

O que sei é que temos nós, raça humana, uma atração sedutoramente mórbida por aquilo que o outro (ou a outra) faz entre as quatro paredes. Engraçado: culpa-se a religião, especialmente a dos cristãos, por se ater ao pecado sexual. Mas, nos dizendo “laicos” ou “agnósticos”, não conseguimos deixar de querer saber o procedimento de outras pessoas  em questões íntimas. Estranho, não? Freud explica. Explica?

O que não se explica — ou, pelo contrário, talvez explique muita coisa — é não darmos pelo menos o mesmo peso às outras facetas da mesma pessoa. No futuro, o que se saberá mais de Raí? O que fez pelas milhares de crianças do Gol de Letra? Ou o que ele supostamente fez — ou não fez, já que ninguém que espalha boatos esteve realmente lá para contar — na cama com mulheres e homens?

O cara salva milhares de crianças de uma vida marginal, mas fica marcado por gostar de alguém do mesmo sexo. Somos mesmo uma raça ruim.

Elder Dias, Jornal Opção

PROPOSTA ACABA COM O “SAIDÃO” DE PRESOS

A Câmara analisa proposta que acaba com o chamado “saidão” dos condenados que cumprem pena em regime semiaberto. A medida está prevista no Projeto de Lei 3468/12, do deputado Claudio Cajado (DEM-BA).

 

A proposta retira da Lei de Execução Penal (7.210/84) a possibilidade de autorização judicial para saída de presos, sem vigilância, nos casos de visita às famílias e “participação em atividades que concorram para o retorno ao convívio social”. …

 

Na prática, esses dispositivos permitem que os juízes autorizem a saída dos presídios em datas comemorativas, como Natal, Páscoa, Dia dos Pais e Dia das Mães. Nas vésperas dessas datas, o juiz da Vara de Execuções Penais edita uma portaria que disciplina os critérios para concessão desse benefício e as condições impostas aos condenados, como o dia e a hora para retorno.

 

Para Cajado, esse benefício contribui para o aumento da violência. “Salta aos olhos que um traficante, estuprador ou homicida possa gozar de tal benefício com tamanha rapidez e facilidade. Este tipo de benefício traz consequências gravíssimas à sociedade, pois a liberdade prematura de apenados gera uma sensação de impunidade e fomenta a prática de crimes”, argumentou.

 

Tramitação
A proposta será analisada pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania; antes de seguir para o Plenário.

 

 

Íntegra da proposta:

PF conclui inquérito sobre fraude no Exame de Ordem

A Polícia Federal concluiu investigação sobre fraude na primeira fase de três exames da Ordem dos Advogados do Brasil, aplicados em 2009. Segundo o inquérito, 152 candidatos tiveram acesso antecipado às respostas do exame e 1.076 “colaram” a prova uns dos outros.

Ficou constatado que 19 candidatos fraudaram o exame 2009.1, aplicado no dia 17 de maio de 2009; 76 candidatos fraudaram o exame 2009.2, aplicado em 13 de setembro de 2009; e 57 candidatos fraudaram o exame 2009.3, aplicado em 17 de janeiro de 2010. Os acusados tiveram acesso privilegiado às respostas das provas, desviadas por organização criminosa desarticulada pela operação policial.

Além das fraudes praticadas com o auxílio da quadrilha, a PF também identificou 1.076 candidatos que “colaram” a prova uns dos outros: 190 candidatos no exame 2009.1, 527 candidatos no exame 2009.2 e 359 candidatos no exame 2009.3. Tais candidatos não recorreram à organização criminosa, mas foram apontados pelos peritos criminais como fraudadores.

A investigação contou com o apoio da OAB e do CESPE/UnB, responsável pela aplicação dos exames.

Processo


O presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, afirmou nesta quarta-feira (11/7) aguardar a conclusão do inquérito para abrir processos ético-disciplinares nas seccionais às quais os suspeitos estejam inscritos. Em nota oficial, a OAB informou que pediria acesso à investigação para tomar as medidas cabíveis.

“O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil está solicitando ao Departamento de Polícia Federal o resultado do inquérito sobre as denúncias de fraudes”, diz o texto. “O processo ético-disciplinar visa estabelecer (…) o grau de envolvimento e participação de cada um dos suspeitos, que estarão sujeitos (…) às sanções previstas no Estatuto da Advocacia e da OAB”. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB e da PF.

ECA completa 22 anos, mas ainda recebe críticas

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 22 anos nesta sexta-feira (13). A lei (8.069/90) é considerada uma das legislações mais modernas e protetivas do mundo, por meio da criação dos conselhos de direitos e tutelares e das delegacias e promotorias especializadas nos temas infanto-juvenis. Sua implementação efetiva, no entanto, ainda sofre críticas.

Arquivo/ Pedro França
Liliam Sá
Liliam: muitos estados ainda não priorizam as crianças.

Relatora da CPI da exploração sexual e coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa das Crianças e Adolescentes, a deputada Liliam Sá (PSD-RJ), afirma que, apesar de recentes mudanças no estatuto aprovadas no Congresso, ainda falta efetivar as medidas na prática. “Infelizmente, em muitos estados a criança ainda não é prioridade. Os conselhos tutelares ainda continuam abandonados e funcionam de forma precária, falta estrutura nas delegacias especializadas no atendimento de crianças e a pobreza as coloca em situação de vulnerabilidade. Muitas estão fora da escola e outras são exploradas para sustentar suas famílias”.

Esses e outros desafios foram discutidos, ao longo desta semana, na 9ª Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, que reuniu cerca de 3 mil pessoas em Brasília. O monitoramento da política nacional e do plano decenal que concretizam as regras do estatuto foi o principal destaque.

Entre as ações efetivas, o governo lembrou a adoção do programa Brasil Carinhoso para evitar a extrema pobreza em famílias com crianças de até 6 anos de idade, e a parceria com a Justiça e o Ministério Público para garantir a punição de agressores e criminosos contra menores. A MP 570/12, que cria o programa, aguarda análise da Câmara e do Senado.

Deputada licenciada, a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, também cita ações para ampliar a proteção às crianças em maior situação de vulnerabilidade.

“É uma das nossas metas capacitar os conselheiros tutelares e toda a rede de proteção para a condição da criança que é surda ou que tem deficiência intelectual. É mais difícil, mas ouvir essa criança na sua pureza e na sua busca de apoio é essencial para o programa de proteção”.

Atualmente, a Câmara analisa vários projetos de lei que tentam aperfeiçoar o Estatuto da Criança e do Adolescente.

A partir da promulgação do estatuto todos foram declarados sujeitos de direitos, incluindo-se os negligenciados, as vítimas de exploração sexual ou de maus tratos, aqueles em situação de rua, entre outros que têm seus direitos humanos violados. Ou seja, deixaram de ser vistos como pessoas em situação irregular e, portanto, passíveis de entrega aos cuidados do Estado, conceito que embasava o Código de Menores de 1979, vigente até 1990.

Ao longo desses anos, algumas conquistas importantes foram alcançadas, como a ampliação do acesso à educação formal, a redução do trabalho infantil, a normatização do trabalho do aprendiz, o alojamento conjunto de recém-nascidos e suas mães, a regulamentação da execução das medidas socioeducativas, entre tantas outras.

No entanto, há ainda muitos desafios: o movimento Todos pela Educação informa que cerca de 3,8 milhões de crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos não estão matriculados na escola; segundo a Organização Internacional do Trabalho, ainda são explorados no trabalho infantil 4,2 milhões de crianças e adolescentes; apesar dos avanços, 19,3 de cada mil crianças nascidas vivas morrem antes de completar o primeiro ano, de acordo com dados do Governo Federal; o país não possui estatísticas confiáveis relacionadas ao fenômeno da violência doméstica, embora os casos de agressão contra crianças e adolescentes sejam noticiados diariamente.

Passados mais de 20 anos, a efetiva implementação do estatuto continua sendo uma questão pertinente. Para que isso aconteça, é preciso que haja um grau maior de diálogo e articulação entre os componentes do Sistema de Garantia de Direitos, responsável pela operacionalização e efetivação das políticas públicas para as crianças e os adolescentes.

Mais de 160 “NOVOS” cursos de pós-graduação foram criados este ano no DF

O número de brasileiros com graduação dobrou em 10 anos. No começo da década passada, 6,1 milhões pessoas concluíram um curso universitário. Em 2010, já eram 12,8 milhões, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O crescimento da procura pela continuidade dos estudos foi um dos motivos para as instituições de ensino passarem a oferecer cada vez mais opções de estudo.

Especialistas e Associação Nacional de Pós-Graduandos, porém, sugerem cuidados ao escolher e orientam para que sejalevada em conta a qualidade do ensino. Também criticam a falta de fiscalização na modalidade Lato Sensu, de especializações. Além disso, destacam a nova percepção das empresas públicas e particulares pelo que podem ganhar de retorno ao investir na educação dos funcionários.

O Correio fez um levantamento com 55 faculdades de Brasília reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC) e apurou que mais de 160 cursos de pós-graduação foram criados em 2012. Confira a lista dos cursos.

Universidade de Brasília
– Doutorado em Saúde Animal
– Mestrado Profissional em Computação Aplicada
– Mestrado e Doutorado em Nanociência e Nanotecnologia
– Mestrado e Doutorado em Zoologia
– Mestrado e Doutorado em Biologia Microbiana
– Mestrado e Doutorado em Tecnologias Química e Biológica
– Mestrado e Doutorado em Direitos Humanos e Cidadania
– Mestrado e Doutorado em Biotecnologia e Biodiversidade

UniCeub
– Jornalismo Esportivo
– Gerência de Projetos de Engenharia
– Coaching Ontológico
– Gestão de Comércio Exterior
– Gestão Aplicada em Logística
– Gestão Empreendedora em Projetos
– Direito Tributário
– Gestão Tributária
– Direito de Energia Elétrica
– Mestrado em Psicologia

FGV- Brasília
– MBA em setor elétrico
– MBA em Banking

Católica
– Mediação de Conflitos (Especialização Lato Sensu)
– Serviço Social (Especialização Lato Sensu),
– Justiça e Direitos Humanos (Especialização Lato Sensu)
– Serviço social (Especialização Lato Sensu)
– Política Social e Familía (Especialização Lato Sensu)
– Psicologia Clínica de Orientação Psicanalítica (Especialização Lato Sensu)

Icesp
– MBA em gestão aeroportuária
– especialização em comunicação ambiental
– pós em direitos fundamentais e políticas públicas
– MBA em controladoria e auditoria
– MBA em Business Administration
– Especialização em enfermagem em cardiologia
– Especialização em enfermagem intensiva
– Nutrição intensiva
– Especialização em método pilates
– Especialização em enfermagem em urgências e emergências
– Especialização Lato Sensu em diagnóstico

UDF
– Governança e gestão estratégica de dados
– MBA em auditoria e compliance
– MBA em gestão estratégica da sustentabilidade empresarial
– MBA em liderança corporativa
– MBA em megaeventos
– MBA Executivo: Corporate Finance
– MBA Executivo em Business Intelligence
– MBA Executivo em Inteligência Governamental
– MBA: Gestão Estratégica Empresarial
– Acupuntura e Práticas de Saúde e Longevidade
– Gestão e Auditoria em Saúde
– Responsabilidade Social e Gestão Estratégica de Projetos Sociais
– Direito Administrativo Aplicado
– Direito do Estado-Cidadania e Políticas Públicas
– Direito Econômico
– Especialização em Defesa Cibernética
– MBA em Direito Notarial e Registral
– MBA em Direitos Humanos
– MBA em Gestão e Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável
– Sistemas de Conflitos, Mediação, Conciliação, Arbitragem e Justiça Restaurativa
– Educação Corporativa
– Governança em Educação
– MBA em Marketing Educacional
– MBA em Mídias Sociais e Comunicação Digital
– Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Fundos de Pensão)
– MBA em Gestão de Outsourcing em TI
– MBA Monitaremento de Desempenho em Organizações e Programa Governamentais
– MBA Planejamento e Orçamento Públicos %u2013 CEPOP

Cecap
– Administração
– Gestão de pessoas
– Gestão financeira
– Psicopedagogia
Instituto Superior Fátima 3 – alfabetização e letramento
– administração escolar, orientação educacional e docência do ensino superior
– psicopedagogia institucional e clínica

Instituto de Educação e Ensino Superior de Samambaia (IESA)
– gestão e segurança em rede de computadores

UNEB
– gestão ambiental e sustentabilidade
– gestão estratégica de turismo e hospitalidade
– marketing e gestão de clientes

Fortium
– Psicopedagogia institucional
– Perícia judicial
– Gestão de serviços da saúde
– MBA em sistemas de telecomunicações
– MBA em gestão educacional
– Engenharia de softwares
– Administração acadêmica e universtária com ênfase em formação de lideranças

Projeção
– gestão escolar
– gestão de processos acadêmicos
– orientação educacional
– direito educacional
– estudos afro-brasileiros, africanos e indígenas
– perícia ambiental
– gestão e governança de tecnologia da informação
– gestão em segurança
– engenharia de software
– desenvolvimento de aplicações web
– MBA em gestão de negócios
– MBA em gestão contábil e financeira
– MBA em gestão estratégica sustentável
– MBA em inovação em publicidade e propaganda
– direito militar
– advocacia criminal
– direito dos contratos
– direito tático previdenciário
– gestão em serviço social

Ceuclar
– direito educacional
– educação à distância planejamento implantação e gestão
– educação especial deficiência intelectual
– educação especial geral
– educação infantil e alfabetização
– ensino de ciências e biologia
– ensino de história e geografia
– ensino de inglês e literatura inglesa e norte-americana
– ensino de matemática
-ensino de português, literatura e redação
– ensino de química
– ensino religioso escolar
– filosofia e ensino de filosofia
– formação de tradutores em língua inglesa
– gestão educacional
– história cultural
– pedagogia empresarial
– psicopedagogia no processo ensino-aprendizagem
– sociologia e ensino da sociologia
– supervisão e inspeção escolar
– teologia contemporânea
– Direito do Trabalho e Processo do Trabalho
– Direito Educacional
– Direito Eleitoral e Processual Eleitoral
– Direitos Humanos
– Segurança Pública e Cidadania
– Fisioterapia Cardiorrespiratória Geral e Intensiva
– Fisioterapia ortopédica, traumatológica e desportiva
– Educação física escolar
– Fisiologia e Biomecânica do %u2013 Condicionamento Físico em Academias
– Gestão Esportiva
– Gestão Ambiental
– Geopolítica e Relações Internacionais
– Gestão de Agronegócios
– Gestão e Planejamento de Projetos Sociais
– Gestão em Saúde
– Gestão Pública
– MBA %u2013 Gestão Empresarial
– Plataforma de desenvolvimento na web

UNIGRAN

– gestão em saúde pública
– gestão ambiental
– estudo de linguagem
– psicopedagogia
– contabilidade gerencial e controladoria
– MBA executivo em administração com ênfase em RH

CESUMAR

– saúde com ênfase hospitalar
– saúde pública com ênfase em saúde familiar
– gestão ambiental e desenvolvimento sustentável
– empreendedorismo e negócios imobiliários

UPIS
– MBA em Gestão de Processos de Negócio (BPM) Integrado à Engenharia de Software
– MBA em Segurança da Informação e Perícias em Crimes Cibernéticos
– MBA em Logística e Transporte
– MBA em Contabilidade Pública

FAJESU
– gestão de pessoas
– psicopedagogia
– docência do ensino superior

Faculdade LS
– enfermagem do trabalho
– saúde em urgência e emergência

Faculdade evangélica
– gestão de projetos
– hermeneutica bíblica
– leitura, escrita e análise linguística
– libras

Unieuro
– Pós-graduação em Análises Clínicas.
– Pós-graduação em Farmacologia básica e clínica.
– Pós-graduação em saúde pública.
– Pós-graduação em Urgência e emergência.
– Pós-graduação em Dermoestética cosmética funcional.
– MBA em Gestão estratégica de pessoas.
– Pós-graduação em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria.
– Pós-graduação em Design têxtil de moda.
– Pós-graduação em Psicopedagogia.
– Pós-graduação em Gestão educacional.
– Arquitetura Orientada a Serviços %u2013 SOA (a distância)
– Especialização em Engenharia de Software (a distância)
– MBA em Gestão de Projetos de Software (a distância)
– MBA em Governança de TI (a distância)
– Especialização em Teste de Software (a distância)

fonte: Correio Braziliense (08/07/2012)

*O grande número de cursos oferecidos pelas Instituições demonstra a Comercialização do Ensino Brasileiro em detrimento da qualidade dos profissionais.